Blog de informações sobre hip hop, rap brasileiro e cultura de rua

Novidades de 09′: Lívia Cruz

Lívia Cruz (Divulgação Myspace)

A cantora e MC, Lívia Cruz (Divulgação/Myspace)

Lívia Cruz chega com sua mistura de canto e rimaE. Ribas

Conhecida por sua participação na fita mixada do Dj Kl Jay, “Rotação 33” (de 2008), Lívia Cruz, mostrou sua voz para o mundo. De nascença, Lívia Fontoura Silva Cruz, 24 anos, natural do Recife, mas com sotaque carioca, já que mudou para o Rio ainda adolescente. Foi lá inclusive que conheceu a Brutal Crew, de Aori e Dj Babão, e gravou seu primeiro som, “Viúva Rainha”, que garantiu uma indicação ao prêmio Hutúz, em 2003.

Mulher de opinião firme, reside em Brasília, onde grava seu disco,  produzido por Ariel Haller. Lívia promete chegar com um som melódico e cheio de referências do que ela observa pelas ruas. O álbum, que trará beats do Dj Kl Jay, De Leve, Nave e Dario, em breve estará disponível para venda e download. Acompanhe a entrevista que o Per Raps fez com a MC e ouça o som “Sorte”, enquanto lê o texto. Curte ae!

Lívia Cruz, “Sorte”
http://raps.podomatic.com/enclosure/2009-11-22T16_58_40-08_00.mp3″

Per Raps: De onde veio a vontade de fazer um disco, em tempos de propagação da música pela internet?
Lívia Cruz: Em primeiro lugar é uma realização pessoal, pra mim é mais simbólico do que qualquer outra coisa, na carreira musical não existe cartilha, fórmula, a gente aprende fazendo, vivendo, trabalhando. Este álbum tem
uma historia, amarrações, imagens, é um trabalho artístico que vai além da música, coloquei minha vida nele em todos os aspectos, não é uma estratégia mercadológica, é uma construção.

Per Raps: Você pretende trabalhar apenas com o formato físico do CD ou também vai disponibilizá-lo para download pago ou gratuito?
Lívia Cruz: Algumas músicas já foram disponibilizadas pra download gratuito, e vou disponibilizar também o álbum completo, em seqüência do seu lançamento, a intenção é chegar a mais lugares, ser ouvida por mais pessoas. Acho que nesse período em que estamos o CD ser a única mídia disponível não faz o menor sentido, por que se eu escolho não disponibilizar, vem alguém e faz, tem álbum que já esta na net antes mesmo de ser lançado oficialmente, existem muitas formas de se divulgar um trabalho hoje, acho que disponibilizar download é uma delas. Esses dias eu assisti a uma entrevista de uma grande cantora da MPB, e achei engraçado o que ela falou sobre pirataria, ela disseque era chic ter seu CD/DVD pirateado, no sentido de que, se existe o pirata é por que o trabalho é procurado por muitos e vende. Eu quero mais é ser pirateada e vou facilitar pra isso.

Per Raps: Quem ficou na responsa dos beats e da produção geral do seu disco?
Lívia Cruz: As letras e os arranjos vocais são meus, o Ariel Haller esta produzindo junto comigo parte das faixas, e tenho alguns produtores convidados, entre eles KLjay, De Leve, Nave e Dario.

Per Raps: Você terá muitos convidados na rima?
Lívia Cruz: Japão do Viela 17, Taty Beladona, Don L, Angel Duarte, Rafel Cruz (Contrabaixo), Ted Wesley (teclados), são algumas parcerias confirmadas.

Per Raps: A linha do seu trabalho terá uma cara mais underground ou pop? Cite algumas referências que influenciaram na composição das músicas.
Lívia Cruz: Acho que no meio pop eu sou Under, e no Under tem quem diga que eu sou pop. Esses dois rótulos não me incomodam, e nem um terceiro ou quarto, é natural que as pessoas enquadrem o artista em um estilo, o cuidado que eu tenho é de não me limitar, me influenciar o menos possível desses rótulos, e fazer a musica com vontade, verdadeira.

Meu processo de criação acontece de muitas formas diferentes, às vezes já crio a melodia antes de ter um instrumental em mãos, como “Cartomante” que escrevi muito tempo antes de gravar, outras vezes já crio em cima do beat, quando recebo um instrumental que eu gosto muito, ele mesmo me inspira, torna-se trilha do sentimento que trouxe à tona, é o caso de “Protagonista” uma surpresa que virá na seqüencia. A “SORTE”, que estou trabalhando agora, foi inspirada na própria música original da Ana Carolina, entre situações reais e fantasias, e outras músicas que falam de mulheres magnéticas, o enredo da letra é que veio definir como seria o instrumental, a primeira voz guia foi gravada somente com baixo e bateria. As referências artísticas são inúmeras, mas essa semana, por exemplo, resgatei uns sons da Aaliyah que sempre curti também alguns da Lauryn Hill, que pra mim até hoje é a melhor, tanto no rap como nas linhas melódicas.

Per Raps: Na sua opinião, o álbum terá um tom mais “rua”, romântico, idealista ou será um misto de experiências?
Lívia Cruz: Nas ruas se vê de tudo, nas pessoas que habitam as ruas, nos barulhos que vêm das casas enquanto você esta passando, se ouve de tudo, idealismo, romance, sofrimento, frustração, fantasia, sonhos… A direção do seu olhar, e como se interpreta as coisas, as manifestações, é que vai definir pra cada um se é mais “isto ou aquilo”, se é “assim ou assado”, eu não tenho medo, sei que a música não tem limite, e pra falar a real eu estou ansiosa por saber das impressões que esse trabalho vai gerar, eu tenho vontade de apontar direções diferentes, não só nas letras, mas também nos instrumentais. O rap tem sido muito subestimado, e as mulheres então nem se fala. Eu já disse que quero ser surpreendida, mas é claro que nessa perspectiva, também quero surpreender.

Per Raps: Você também se preocupa com a divulgação do seu trabalho e da sua imagem na internet, por meio de redes sociais (Facebook, Twitter etc)? Você gosta de fazer isso ou acha estressante?
Lívia Cruz: Sim, eu tenho perfis em todas as redes que acho convenientes, a divulgação através desses meios é muito eficaz, mas confesso que ainda não sei tirar o máximo deles, e sim, também é estressante, às vezes não consigo responder a todos, a tempo, todos chamam ao mesmo tempo, e por aí vai… Fica confuso, porque sinto às vezes que ao invés de utilizar o meio, estou sendo utilizada por ele, é engraçado dizer isso, mas é real.

Per Raps: O que a Lívia Cruz vinha fazendo desde a participação no “Rotação 33” até hoje?
Lívia Cruz: Antes, durante, e depois do Rotação 33. Este trabalho é um marco e um alicerce na minha carreira, e me orgulho muito disso. Antes eu já vinha fazendo apresentações e parcerias com menor visibilidade, mas também muito importantes para o meu crescimento pessoal e profissional, em 2005 resolvi entrar em estúdio pra fazer um Demo, foram pouquíssimas cópias, mas me rendeu vários frutos.

O primeiro foi o convite para participar do Rotação 33, o segundo foi o remix de “Mel e Dendê” que saiu na Mix tape “Sexo, drogas e violência” do Costa a Costa, esse remix chegou em mais de 30 mil pessoas que baixaram ou
adquiriram o cd. Em seguida fiz uma participação no álbum mais recente do Viela 17, “Lá no morro”. Comecei a gravar meu disco, e o vídeo do seu primeiro single “Cartomante” foi vencedor de uma das etapas do quadro “Garagem do Faustão” exibido no Domingão, da rede Globo. Nos últimos tempos, tenho dividido o palco com parceiros de peso, Angel Duarte e banda, GOG, Raggademente, Dj A, Dog Daia, Batma, Batidão Sonoro, entre outros. Tô na expectativa pro prêmio Hutúz e o trabalho não para!

Per Raps: Recentemente, você deu uma entrevista para o Central Hip Hop (Bocada Forte) e não se acanhou em responder perguntas difíceis. Em uma cena em que as pessoas pensam 2 ou 3 vezes para responder certas
questões, você se vê como uma mulher polêmica ou de opiniões firmes?
Lívia Cruz: Acho que opiniões firmes causam polêmica naturalmente, se aparece uma questão difícil, me posiciono se conheço o assunto, se acho relevante me manifestar sobre. Tem sempre os que são do contra, também aqueles que tiveram uma experiência diferente e vão discordar, isso é um processo natural, e é bom, se todos já tivessem conceitos preestabelecidos qual seria o sentido da criação? Sim, eu tenho opiniões firmes, muitas vezes o que falo causa polêmica, mas isso não significa que eu não penso antes de falar, ou que eu não me reserve ao direito de não me manifestar sobre qualquer questão que não me diga respeito.

Leia aqui a entrevista de Lívia Cruz para o Central Hip Hop (Bocada Forte).

Mais em:
Myspace

Curtiu o som da Lívia Cruz? Já conhecia o trabalho da MC antes? Comente!

Anúncios

17 Respostas

  1. Nunca tinha ouvido, mais logo de cara já ví que o som tem uma pegada nova… mandou bem!!ô o rap ae!

    novembro 23, 2009 às 15:48

  2. Ela é a mina

    novembro 23, 2009 às 15:54

  3. Chapada a entrevista… os sons dela também são excelentes, no cenário nacional é uma das mais quentes…

    Paz

    novembro 23, 2009 às 20:07

  4. Sou fã!

    novembro 23, 2009 às 23:05

  5. MC Promissor

    Bom demaiss!!
    Aí tem o dom!!

    novembro 24, 2009 às 10:17

  6. steph

    a mais bela de todas canta pra caralh*
    rima melhor ainda!
    ela super arrasa!

    novembro 24, 2009 às 10:56

  7. duda

    representa muito!!!!boto muita fé nessa dona!!!!

    novembro 24, 2009 às 11:00

  8. Mônica Mattos

    Livia rocks!! Amo muito !! Tamo junta sempre!!

    novembro 24, 2009 às 11:37

  9. Débora

    Tão pequena e tão guerreira!
    Amo!

    novembro 24, 2009 às 16:18

  10. mj dona

    notorio o talento de livia!
    sucesso arretada!

    novembro 24, 2009 às 16:55

  11. Peqnoh

    Bom demais!
    Livia Cruz é fantastica!
    Som de primeira qualidade e atitude de quem sabe o que faz!
    Per Raps novamente de parabéns!

    novembro 24, 2009 às 17:16

  12. Parabens Livia, muito consciente as ideias, muito boa as musicas, me identifiquei muito sobre o lance do rótulo…eu acho q isso não pode existir…a unica divisão q tem q ter é musica boa e musica ruim….a sua é muito boa mesmo…tamu junto !!!

    novembro 24, 2009 às 17:48

  13. Talento puro, sinceridade nas palavras e força na atitude. Um orgulho de Brasília e do rap nacional. Sorte no Hutuz.

    novembro 24, 2009 às 18:46

  14. Marina (SP)

    cópia fechada de mulher eletrica, ateh nas rima.
    prefiro mel e dende. ta osso esse som sorte, bem precaria memo taligada?
    livia tem sons bem mais originais
    aquele eh o caminho.
    sorte pra vc.

    novembro 26, 2009 às 20:12

  15. Agradecendo ao PER RAPS pelo espaco, tambem a aqueles que leram, escutaram, comentaram… Muito obrigada! Fico feliz com elogios e principalmente com as criticas construtivas.
    Sobre a semelhanca de SORTE com Mulher eletrica, eh uma inspiracao na levada do Mano brown, minha visao de mulher eletrica, assim como falo da glamurosa do MC Marcinho e da da Belle d’ jour do Alceu Valenca… Foi uma citacao e nao uma copia. Mel e Dende acaba de me render um premio, tenho um carinho especial por essa musica e fico feliz sempre que demonstram gostar dela. O caminho ja esta sendo percorrido e trilhado, aprendo mais em cada passo dado. Mais uma vez muito obrigada a todos e ateh as proximas.

    novembro 28, 2009 às 15:12

  16. Pingback: Entrevista: Lurdez da Luz, Pathy Dejesus e Lívia Cruz « .per raps.

  17. Um grande presente pro Rap nacional.
    XD

    agosto 18, 2010 às 23:29

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s