Blog de informações sobre hip hop, rap brasileiro e cultura de rua

“Não canso de ouvir” com Dj Mako

Victor Makoto Oiwa aka Dj Mako - Divulgação

Victor Makoto Oiwa aka Dj Mako - Foto por PG

Os 10 discos que o Dj Mako não cansa de ouvir!

Quem manda o seu top 10 dessa vez na seção “Não canso de ouvir” é o Victor Makoto Oiwa aka Dj Mako. O cara antes ouvia mais rock, mas passou a pirar no rap depois de ouvir “Walk this way”, a clássica parceria entre Run DMC com os roqueiros do Aerosmith. Quando adolescente, dançava break e andava de skate.

Conhecido por tocar com os MC’s Akin e Shawlin, também agita várias festas de Sampa, como foi o caso da festa Jazz it Up!, que rolava no Studio SP. Além do trabalho como Dj, Mako também é professor. Ele dá aula de discotecagem no curso de produção de música eletrônica, na Faculdade Anhembi Morumbi (São Paulo).

O Dj acha tempo também para atacar de designer, tanto que ficou na responsa da capa do álbum do Elo da Corrente e o layout do Subsolo. Atualmente, Mako trabalha na produção dos álbuns do Lumbriga, do Gato Congelado e grava scratches no álbum solo de Lurdes da Luz (Mamelo Sound System). Confira abaixo a seleção variada de Mako, que vai do “notório” BIG até a finesse de Brazilian Octopus. Curte ae!

10. Marcos Valle – Vento Sul
Esse disco é outro que escuto muito, gosto muito das letras – ainda não consegui pegar o vinil, mas tá na minha lista de “discos para pegar” faz tempo. Tem vários raps lá, não só de samplear, em vários outros sentidos também, é uma viagem. É o rap! Como dizem.

9. Brazilian Octopus
cg30-brazilian-octopus-1969-fermataEsse disco é um dos mais bonitos que já ouvi, demorei para pegar esse disco, paguei caro e ainda peguei com uma faixa que tá pulando, mas valeu muito a pena. Escuto pra me acalmar ou para ir pra bem longe…

8. Maestro Waltel Branco – Meu Balanço
Hoje em dia escuto muito mais discos antigos do que os atuais por causa do rap! Tem vários discos que eu queria colocar nessa lista, mas uns dias atrás tive a oportunidade de conhecer esse maestro e ele me disse que esse disco foi gravado em três horas e em dois canais. Além de ser um disco bonitão que eu já ouço há algum tempo, por essa pessoa ser um exemplo de ser humano, me fez gostar muito mais desse disco e dos trampos dele, muito respeito pelo Mestre-Maestro Waltel.

7. Edan – Primitive Plus
Primeira vez que ouvi falar desse cara foi em 2000 numa rádio da Filadelfia que só tocava uns raps underground (tipo demotapes gravadas em casa mesmo), vários caras que eu nunca tinha ouvido falar antes… Ouvi uma faixa que chama “Sing it shit face”. Ele só lançou esse album uns anos depois com várias outras músicas até mais loucas que essa e dizem que ele faz as artes das capas, que também acho de muito bom gosto.

6. Notorious BIG – Ready To Die
BIG, na minha opinião, foi o cara que tinha o flow mais loco de todos! Infelizmente ele se foi por causa daquela treta, mas deixou esse discão pra gente.

5. Doom e Madlib – Madvillain

mf-doom-madvillain-cover_1Essa combinação foi uma das mais fodas que já ví. Doom e Madlib: sujo, bonito, pesado, doidão como acredito que deve ser. Nem vou escrever, mas quem não conhece, ouça. Difícil destacar uma só, mas gosto muito da “Accordion”.

4. Buckshot LeFonque – Music Evolution
Esse disco é muito importante pra mim porque ele me fez começar a comprar e pesquisar uns discos de jazz, que é o que mais escuto hoje em dia. “Music evolution change. Sometimes the common make it sound strange.” Muito bom esse disco, sem esquecer os scratches do Apollo. Representou muito aí.

3. Common – Ressurection
O Resurrection me chamou a atenção por vários motivos, primeiramente os scratches (Mista Sinista) depois as letras, os beats (No I.D.). A “I Used to love H.E.R.” é uma das letras mais bem escritas que já ouvi.

2. Nas – Illmatic
Na primeira vez que escutei esse disco fiquei louco, logo vi que esse álbum tava lotado de clássicos, vários scratches loucos. O Nas, como o Mos Def, Doom, Q-Tip e outros, é um dos que mantêm a cabeça no lugar até hoje e lançam vários trampos bons, na minha opinião.

1. Wu-Tang Clan – Enter the 36th Chambers
Este disco marcou muito um período minha vida e da história do rap também. Na época que eu andava de skate, lembro que ouvi este disco por muito tempo, vários meses. Ouvia os raps de outro jeito, com outra cabeça. Comecei até estudar inglês sozinho e traduzir as letras pra entender qual era a ideia que eles estavam dando. Não tem nenhuma faixa desse disco que eu pulava, com certeza uma referência pra vida toda.

Mais sobre o Dj Mako:
www.myspace.com/vmakoto
www.myspace.com/akin6378
www.myspace.com/supershaw021
www.myspace.com/subsoloodd

Anúncios

2 Respostas

  1. Gusta

    Outra excelente lista, feita por quem sabe o que fala.
    Os que eu não conheço, vou correr atrás pq é qualidade na certa.

    Abraço!

    setembro 23, 2009 às 21:27

  2. Dá-lhe DJ Mako. Belo top ten!
    É o rap…

    outubro 31, 2009 às 00:42

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s