Blog de informações sobre hip hop, rap brasileiro e cultura de rua

Thig Smith fala sobre carreira solo – Parte I

thig

Thig Smith agora vai se dedicar à carreira solo (Arquivo Thig)

“Cê ta no Jaçanã, ta na picadilha”. Que fã de rap não conhece o refrão de Picadilha Jaçanã, do grupo paulista Relatos da Invasão? Em pouco tempo, a música, lançada no disco É o Gigante, de 2006, ganhou destaque e se tornou um dos poucos hits recentes do rap nacional, sendo tocada exaustivamente em bailes, festas e afins, nos últimos três anos. Com ela, o grupo também conseguiu espaço na MTV, que hoje tem em Picadilha Jaçanã um dos únicos clipes de rap nacional da sua programação.

Apesar do início promissor, o Relatos – formado por Thig, Negrinho e Dj Pampa – não deslanchou e teve de se virar em um dos momentos mais complicados da história do rap, em termos de aceitação da mídia e do público em geral. Quase dez anos após sua formação, no final de 2008, o líder do grupo, Thig Smith, decidiu deixar o Relatos da Invasão para seguir sua carreira solo.

No Per Raps, o rapper Thig Smith, de 25 anos, fala pela primeira vez sobre essa nova etapa da sua carreira, sobre o distanciamento do grupo, o sucesso de Picadilha Jaçanã, entre muitos outros assuntos. Aqui você também confere em primeira mão uma música nova, que será lançada como um single para os Dj’s tocarem nas festas.

Confira:

Relatos da Invasão

Nós ainda estamos fazendo alguns shows com o Relatos, mas eu estou partindo pra carreira solo. A gente não vai mais fazer música juntos por enquanto. Eu quero estar sozinho, talvez pelo fato de eu ser muito individualista, egoísta. Eu era o líder do grupo, mas eu não quero ser responsabilizado pela glória ou pela derrota de ninguém, eu sou responsável por mim, só por mim.

Essa conversa de parar com o Relatos foi tranquila, a gente é muito amigo. Sempre fomos de trocar uma idéia bem reta, bem clara, então não teve briga, não teve nada. Eu falei com o Negrinho, expliquei meus motivos, depois fomos no Pampa, conversamos e nos acertamos. Isso foi em dezembro de 2008. Eu não tenho nada pra falar dos caras, eles sempre foram meus parceiros, 100% profissionais. Só que eu gosto de liberdade, então resolvi seguir meu caminho.

Agora a gente – eu, Negrinho e o Dj Pampa – tem que aproveitar o nome do Relatos da Invasão, claro. Temos que aproveitar as mesmas portas que já foram abertas no passado, foi a gente que construiu isso.

Picadilha Jaçanã

Com a música a gente conseguiu fazer show em vários bailes, dos mais elitizados, como a Clash, até o Zezão Eventos, que é mais de raiz, para os pretos mesmo. Então ver minha música tocando no Sambarylove, nesses bailes que eu ia quando era menor, isso foi da hora porque eu não via, não vejo o rap nacional tocando. Eu fico triste por isso, queria que a gente estivesse no mesmo nível dos gringos, queria que tocasse minha música nas festas que eu colo.

Evolução

 

No disco do Relatos eu ainda tinha certas idéias que hoje eu não tenho. Eu achava que ao falar de um moleque que mora na rua numa música, você estaria ajudando ele, mas hoje eu vejo que isso é errado. Você não ta ajudando ele, você vai ajudar ele se você fizer que nem o Netinho de Paula faz. Ele trampa, corre atrás, e depois ajuda um monte de gente, proporciona a oportunidade de ajudar as pessoas efetivamente. Antigamente revolução pra mim era fazer umas músicas de protesto, nervosas, e hoje eu já não vejo isso da mesma forma.

Revolução hoje pra mim é eu conseguir sobreviver do meu trabalho, ganhar um dinheiro, fortalecer a minha quebrada. Pegar um mano que está vendendo droga na esquina e falar: “Você vai trabalhar pra mim, vai ser segurança do meu show”. Isso é revolução.

Eu sou um cara que gosto de estar no tempo. Eu acho que a música é uma junção do tempo, da ocasião e você ainda tem que ter uma malandragem pra conseguir transmitir aquilo que o seu espírito está querendo dizer. Antigamente eu pegava a caneta pra escrever num momento em que eu estava mais triste ou pensativo, mas agora eu procuro pegar minha parte boa pra escrever, um momento em que eu esteja melhor. Lógico que eu ainda escrevo em outros momentos, mas hoje eu prefiro passar pras pessoas o meu lado bom, ao invés do meu ódio e da minha depressão.

carreira solo

Thig vai fazer músicas voltadas para as pistas e as mulheres (Divulgação)

Eu quero fazer bastante música pra mulher, eu sou um cara romântico. Eu acho que tem que focar bastante as mulheres porque o rap é foda, você sai do palco e vem um monte de homem falar com você (risos). É legal, mas eu queria que as mulheres viessem também, que elas se identificassem. E pra agradar elas tem que seguir a linha delas. Mulher é sensível, não gosta de música pesada, elas querem um som mais agradável.

Rap no Brasil

Por incrível que pareça, os únicos caras que estão na mídia, que estão conseguindo fazer o rap andar, são o Cabal e o D2. Quem de rap a gente tem hoje que é ouvido desde os moleques da favela até a classe alta? Os caras falam que não ouvem, mas eu vejo vários moleques lá da minha favela que estão andando de skate ouvindo D2. Eu ouço os moleques saindo da quebrada pra ir curtir na noite e eles estão ouvindo Cabal, eles são obrigados a ouvir. Porque é um dos únicos caras que faz um som agradável, pra pista, além de uma rapaziada nova que está chegando.

Esses são os caras que estão aí. Pode falar o que for dos caras, mas eles são os caras que estão fazendo o rap andar. Tem gente que fala: ‘Ah, mas o Cabal não é da rua’. E aí? Ele fez um rap com o Chitãozinho e Xororó. Ele está fazendo o rap andar. Fez um rap com o Charlie Brown Jr., coisa que antes eu via o RZO, o Sabotage fazendo. Eu queria ver uns rappers mesmo tipo Sabotage, Rappin Hood, fazendo a coisa andar mais, com várias participações. As pessoas criticam muito e esquecem da música, você tem que avaliar a música. Eu não quero saber se você fez música com a Wanessa Camargo, eu quero saber da música. A música é boa? Você gostou do vocal dela, do que ela falou? Gostou do beat? Eu não quero saber da Wanessa Camargo, quero saber da música.

É difícil de ouvir rap hoje. Se eu to no meu carro com a minha mina eu vou ouvir o quê? Tem uns caras do rap que tem mais uma malandragem, que são bons, tem, mas é ‘os mano’ ainda. Eu quero ouvir uma música que minha mina ouça e fale: ‘Esse som é da hora hein’. Pode falar o que for de ‘Senhorita’, mas as menininha do gueto gostam, a música é agradável. Não que os caras não tenham que focar o outro lado. Não dá pra ficar na mesmice também, falar que é tudo festa porque aí é mentira. Mas se falar que é tudo terror, também é mentira.

show solo

O rapper em em ação durante seu novo show solo - Divulgação

Single

As músicas já estão prontas, estão sendo finalizadas no estúdio do Dj QAP, o QAP Operante. Serão três músicas, que eu vou distribuir pros Djs e vender algumas cópias também. Uma das músicas vai chamar ‘Rolê Club’ ou ‘Clube do Rolê’, ainda estou decidindo, que é mais a minha cara, uma música mais funk, e foi produzida pelo Dedé, do Raciocínio das Ruas.

A outra se chama Ficar Rico, que é mais um crunk, o estilo de som que ta tocando nas festas americanas. Esse som foi produzido pelo Green Alien, um moleque da zona leste, meu parceiro, do grupo Klasse Korreria.

E tem uma música produzida pelo Dj Max, um moleque de Guarulhos que é bom pra caralho, já produziu pra vários caras, pro Lito Atalaia, Tio Fresh. Essa música que eu fiz com ele é mais voltada aos bailes, mais pop pista e o nome dela é ‘Número 1’. Elas vão estar nas ruas em breve, provavelmente no mês que vem. Quero soltar elas pra depois vir com o disco, vai ser uma prévia do disco.

Acesse o Blog e o MySpace de Thig Smith.

Ouça em primeira mão o som Número 1, de Thig Smith:
http://raps.podomatic.com/enclosure/2009-06-16T08_27_25-07_00.mp3″

Leia mais sobre Thig no blog D.O.C Recordz.

Na segunda parte da entrevista, Thig fala sobre os fatores que, na sua opinião, não permitiram que o rap estivesse hoje em uma posição de destaque no cenário musical brasileiro.

Anúncios

33 Respostas

  1. O Rap esta entrando nessas de o que é melhor, protesto ou musicas para baile. Acredito que o foco dos rappers seja os americanos, todos nós queremos ganhar um dinheiro, todos queremos ter nosso nome nas rádios, fazendo uns shows monstro. Eu acredito que tenha uma maneira do rap protestar e entreter ao mesmo tempo. Não vejo e nem quero ver nosso rap sem conteúdo, vangloriando o dinheiro e ostilizando as mulheres.

    Mesmo não concordando com todas as palavras do Thig, acredito que com o talento dele, ele vá longe.

    Paz.

    junho 16, 2009 às 16:21

  2. Caracas que foda acabar com o grupo, mas a vida segue. Ele fez esta escolha, agora basta saber se o Relatos vai continuar ou acabar.

    junho 16, 2009 às 16:36

  3. Luis

    Vixi mano, subiu pra cabeça!

    Semana que vem tá no programa da Fah Morena, aí já era.

    Pena!

    junho 17, 2009 às 04:09

  4. Thc13

    Atire a primeira pedra quem não quer ganhar dinheiro!!!
    Se o som for de qualidade o rap soh tem a ganhar!!!
    Dae Thiga!!!

    junho 18, 2009 às 14:56

  5. Mani

    thig meu niggaaa! sucesso pra nóiz!

    junho 18, 2009 às 20:49

  6. faço minha as palavras do emicida hoje mcs querem festa eu ainda quero motivo .

    pra bom entendedor, meia palavra basta.

    junho 18, 2009 às 22:43

  7. ronaldo

    Thig falou tudo! O rap precisa mudar…e esses câncer ai que só quer música chata, não é pra esse publico que a gente tem q trabalhar…deixem q eles morram no mundo fechado deles…

    “a rua é noiz” …tsc tsc

    junho 19, 2009 às 01:01

  8. Daniel Cunha

    Por que levantar a bandeira só do Thig ou só do Emicida, ou de quem quer que seja? Os dois são muito bons no que fazem (e inclusive são amigos). Vamos levantar a bandeira do rap e da música que todos ganhamos mais…tem espaço pra todo mundo, o único requisito é fazer música boa.

    junho 19, 2009 às 13:13

  9. J. Caio

    Apesar de eu ter a obrigação de respeitar a decisão dele sou obrigado a discordar completamente da visão que ele tem em relação a como ganhar dinheiro fazendo rap.
    De fato, o rapper é artista e precisa ser remunerado, mas por outro lado se ele tem as portas abertas hoje, foi por conta de ele se mostrar pra nós ser um cara que resolveu fazer o authentico rap em meio a esse mar de ” festa no apê” versão rap.
    Muita gente pode achar absurdo o que vou dizer, mas pergunta pro Racionais se eles tem vergonha de ganhar dinheiro com música, com certeza não pois fazem o que se propuzeram a fazer desde o início.
    Agora, quanto ao exemplo que ele citou do Netinho, concordo porém aquele som que o Netinho faz é comercial por natureza, então não fugiu do contexto. Muito pelo contrário as vezes caras como ele fazem samba politizado sem precisar se disfarçar de “rap”.
    Se pra ele o Cabal e o D2 estão fazendo o rap andar o que faz um GOG por exemplo ?
    Por falar em profissionalismo, será que ele remunerou o pessoal que fez os beats dele de acordo com o que um músico profissional costuma receber ?
    O rap vendeu muito show e disco na época que rap meigo era pecado. Pergunta pra qualquer um.
    Infelizmente esse tipo de mentalidade faz com que muitos de nós ir pros bailes beber pegar mulher e ir embora revoltado com o repertorio do DJ. (Será que ele ouve a boa black music da jovem pan).
    O que posso fazer é lamentar o desiquilibrio de um cara que eu considero um dos caras mais espontâneos que nosso rap já viu.

    junho 20, 2009 às 01:04

  10. Ana Cristina

    Bom, como uma representante do publico feminino,
    eu sou a favor de musica mais dançantes e alegres.
    Eu curto um rap com letras falando da realidade mas ñ ouviria elas indo pra uma balada .
    Acho que o rap ñ tem que muda radicalmente,mas na vida ñ tem só coisas triste duvido que os caras que canta Rap mais pessado ñ curti uma
    balada,bebida e mulheres… pois é isso que o Thig quer passa nas suas letras.
    No caso do Cabal e o Md2, eles canta o que o publico quer ouvir; se quer ouvir coisas negativas e só assitir o Datena.
    Quanto tempo duraria uma festa com raps que tocam na 105FM ….. nem dez minutos

    Parabens Thig pela sua visão vai mesmo ganha dinheiro as coisas são assim .

    junho 21, 2009 às 01:39

    • Luana

      Bom em resposta a Luana só tenho a dizer que ela não representa o público feminino ainda mais do rap porque se ela não sabe a 105 tem festas de rap que duram mais 6 horas então se for pra falar sobre o que não sabe fica quieta sobre o Thig percebemos que egoísta ele é e afirmou então nunca vai ter nada………No mundo não há lugar pra egoísmo o sucesso passa ou ele pensa que é o Brow ??? não e tbm retificando tem clipe de rap nacional que é Pentagono na programação da Mtv que é maravilhoso pra quem nunca ouviu procura e o cd tbm é ótimo músicas dançantes muita boa de se ouvir
      Thig lamento que vc sej apenas mais um que quis ser rapper porque quem é já nasce !!!!!!!
      Luana

      junho 25, 2009 às 14:01

  11. ERIKA

    É sempre alguém contra mudanças, mas essa com certeza veio pra melhorar, demoro. O rap pra nos mulheres caiu na mesmice , não tirando os mano do rap q correm e batalham pra ter o seu lugar ao sol, mas enfim, nós mulheres e homens q curtem uma boa balada gostamos e precisamos de boa musica! Na balada, ultimamente só tem rolado o black americano e os brasileiros mais q depressa tem q se atualizar e sair na frente .
    Na boa Thig, essa foi a melhor decisão q vc tomou. Tem q cantar pra mulheres mesmo, tem q fazer um som q arrasta nas baladas e no dia a dia. Musica é pra se cantar e ouvir a qualquer hora, ai um abraço do pessoal do interior paulista!

    junho 21, 2009 às 06:47

  12. Débby

    Acho que o Thig está certo, o rap no brasil não é valorizado. O que vende é musica que toca nas radios; se vc tem um dom e tem a arte na musica tem que mostrar a todos. Hj em dia há mais mulheres no mundo do que homens e elas não estão interessadas em saber como está o brasil e o mundo do crime das musicas, pq isso o jornal nacional mostra todos os dias as 20:00…Tenho certeza que o thig não está sózinho e nem abandonou as pessoas que ajudaram ele, só pensa em um futuro melhor e crescimento profissional …Pergunte a qualquer mulher que gosta de boa musica se elas não gostam de marcelo D2 e ve realmente quem está faturando …
    Thig, sucesso pra vc. Vc merece, é batalhador e tem um dom admiravel…

    junho 21, 2009 às 17:33

  13. RudeBoy

    de que adianta cantar e não enxergar um palmo a frente?

    realmente o black alien tinha razão.. “…se pra você, isto é relevante, essa é a diferença entre o Professor e o Estudante.”

    Cabal não.. ele aliado ao D2 pqp… só chute pra fora, emeceeee

    junho 22, 2009 às 14:34

  14. Apoio Total!!!Sumemo !! o rap é música de verdade, e a gente tem que dançar conforme a música, senão num vira!!! O Thig é meu parceiro, temos um som juntos, bem loko, a “Lobo Mau”…Quem quiser conferir vai lá no meu myspace…www.myspace.com/suppafla
    E boa sorte pro Thig nessa nova caminhada!

    junho 23, 2009 às 00:12

  15. J. Caio

    O problema não é mudar, o problema é depois ser ingrato.
    Quanto a nossa amiga Supa Flá, eu já tive a oportunidade de ler em uma revista algo do tipo fazer fusão com funk carioca. Agora quero que ela me diga se funcionou !?
    Talvez se o Quincy Jones me disser o que devo fazer eu pensaria.
    Como eu disse antes, na época do rap “triste” tinha mais shows, mais aceitação, mais revistas, etc. E agora com toda essa alegria no rap ? Cadê ?
    O problema é que estão se apegando em um “hit” ou outro, tipo Senhorita.
    A verdade é que eu conheço milhares de pessoas que realmente são “representantes” do rap, e quase ninguém curti essa linha feliz, incluindo as mulheres.
    É uma situação tão delicada que, quando um cara muda de linha ele tem que vir a público se desculpar. Por quê será eim ????
    E tem mais, naquela música da mixtape do DJ Qap ele diz no refrão “Siga-me”. Ainda bem que eu não segui né? Já pensou se amanhã ele resolver mudar mais uma vez ?
    Quanto ao fato de que as músicas dançantes são as estrangeiras. Vocês mulheres só conseguem dança-las porque a maioria das mulheres gostam de dançar tudo que é dançante, e por que a maioria de nós brasileiros não as entendemos, pois poucos de nós falamos inglês, ou seja, se todos entendessem só as pessoas de mau gosto é que gostariam.
    Mesmo assim boa sorte a todos os que concordam com a eutanásia do Rap Nacional.( O que não é o caso do Thig, né?).E obrigado a todos que tratam o rap com respeito.

    junho 23, 2009 às 01:51

  16. Kenan Namaha

    Salve Thig, meu parceiro! Tâmo com vc nessas fitas ai, vamo fazer a nossa e deixa esses ai sem mulher e dinheiro. kkkkkkkkkkkkkkkkkk! Uma pá de ignorante eu vi aqui nessa fita. Pra vc fazer uma guerra tem q ter dinheiro sim, tem q fazer som pras minas pra elas somarem com nóis, nóis somos o (Novo Ritmo das Ruas).

    Vamo fala de mulher e dinheiro, sim pq nossa vida num é só guerra não; tem ódio sim, mas tbm tem muito amor no guetto. Não queremos ser gringos, mas sim originais. O samba, quando só falava de morro, num saia do morro. A partir do momento que passou a fala de coisas + agradaveis, conquistou o Brasil td. Não temos rabo preso com ninguem e nem devemos nada a ninguem, solta a voz q é nóiz, muleke doido!

    Vamo fazer a nossa, deixe eles falando q vc se ‘vendeu’, faz seu som! Fale sempre de mulher, dinheiro, carros bons porque precisamos disso memo. Não precisamos falar de favela pra saber de onde viemos, entendeu queridão? É como vc mesmo diz: “Vocês são todos livres pra fazer o que quiser” – trecho de “Siga-me“.

    Eu quero é muito mais! Só lamentar no som? Eu quero vida! Que os mulekes peguem o seu cd, o meu e riam. Se identifiquem com as partes boas, que nossos shows lotem de mulher igual era o do Jorge Ben e não só uma pá de índio cheio de ódio no coração e revolta pra quebra o baile depois de tanto ódio. Aqui é vida! Nóiz somos vida! Queremos vida, mulher, dinheiro e td o q é bom, sim.

    E pra vocês (ignorantes)…

    Vão ler, se informar, estudar! Pra depois vir debater pq aqui nóis tem idéia pra séculos ainda…

    Ass: Kenan Namaha (Dramátiko)

    junho 23, 2009 às 01:59

  17. nego primo shaq

    Tem muita gente aqui sendo muito radical e até faltando com o respeito. Tem q se respeitar as opções de cada um e isso é musica e na musica pode se falar de tudo. O Chico Buarque sempre fez musicas de protesto e musicas de amor e é um dos maiores musicos do Brasil, o Tupac fazia musicas de protesto, para mulheres, de gang, de rua, sobre vários temas e é considerado um dos maiores rappers de todos os tempos. Como também fazia o Notorius, o Snoop tbm faz.

    As pessoas têm que abrir mais a cabeça e pararem com esses preconceitos bobos q não levam a nada. Pprecisamos de musicas pra bailes, pra dançar, curtir, como tbm precisamos de musicas q não nos deixem esquecer das coisas erradas, da miséria, da robalheira na politica. Temos q entender tbm q é legitimo, q não é errado ele buscar retorno financeiro no rap, pois o rap é o seu trampo e é com o rap que ele vai poder superar dificuldades financeiras, ajudar sua familia e conquistar seus objetivos. Ou será q é o governo q vai nos ajudar, dar boa educação, saúde, bom emprego? Todos sabemos q não e q precisamos correr atrás por nós mesmos.

    junho 23, 2009 às 03:45

    • Vadio

      Depois a rapa não sabe o por que do rap estar no patamar atual. Até quando vamos ficar brigando pra saber quem é mais real, quem é que tá certo e quem tá errado, qual o estilo de rap mais certo. A cota é ter varios mc´s fazendo rap, não importa seu estilo. Ficar brigando entre a gente só dá margem para cada vez mais cairmos no limbo do esquecimento. Parabens ao Thig e a todos os fãs do rap.

      junho 24, 2009 às 00:16

  18. Será q o thig vai participar na musica cinderela remix com o cabal? rsrsrsrs. A mtv subiu pra cabeça…

    junho 24, 2009 às 00:42

  19. J. Caio

    Como eu havia dito no primeiro comentário que fiz, tenho a obrigação de respeitá-lo.
    Não sou contra nenhum tipo de coisa que seja verdadeira, se o que ele disser em suas próximas letras não contrastar com sua realidade sou o primeiro a fazer questão de aplaudir.
    Sei que os comentários estupidos são direcionados a mim, e como relembrou o nosso amigo Dramatiko
    “Vocês são todos livres pra fazer o que quiser” – trecho de “Siga-me“.
    Então, eu quero expressar minha visão em relação a tudo isso já que sou livre, né Dramatiko ?, pois sou um grande admirador do Relatos.
    Não faço questão de que ninguém concorde comigo, e sim respeite minha opnião.
    Não sou baixaréu de nada, mas tenho certeza que de rap eu entendo, pois não sou nenhum garoto de 17 anos, muito menos “rapper de internet”.
    O Snoop fala de grana, bunda, etc.
    Mas alguém aqui tem dúvida de como deve ser o dia a dia dele ?
    Como eu disse, se for verdadeiro boa sorte. Mas se não for um dia cai(e como já caiu gente eim negô!!!)
    Pude ver no blog do Thig um video dele jogando dinheiro no chão. Será que isso passou a fazer parte de seu dia a dia ?
    Mesmo assim boa sorte.
    Agora vou seguir o conselho do nosso companheiro Dramatico e vou ler, estudar e tentar arranjar uma mulher, só que sem virar MC . Mas quero deixar bem claro que essa minha indginação se deve ao fato de realmente eu admirar o Flow do Thig, e não apenas recalque.
    Valew!!!
    Fé em Deus e nas crianças da favela!!!!!!!!!!

    junho 24, 2009 às 00:52

  20. A minha opiniao é o seguinte: o rap tem uma postura por falar de varios problemas socio-culturais, abordando varios temas, mas o rap nao pode ficar nos protestos. Tem falar de tudo um pouco; de coisas ruins, mas tambem de coisas boas para que seja agradavel à todos. O rap precisa começar a ter uma nova pegada para conseguir um melhor espaço na midia e atrair mais pessoas que possam respeitar e investir nos rappers, sendo homen ou mulher. Veja o Racionais com som ‘mulher elétrica’ ou aquela ‘dance dance’ com mano brown e pixote. Po, ja ta na hora de mudança para evoluir o rap nacional. Eu canto rap tambem nas minhas de ‘problemas’, mas tambem falo de curtição, baladas, mulheres. Um bom rap com alto astral faz bem para esquecermos por um momento os prablemas q existem em nossa volta.

    É isso mesmo thig, siga firme nessa sua nova caminhada.

    junho 24, 2009 às 03:43

  21. Concordo plenamente com o Negrostyle, mas calma, eu não sou contra o rap pra cima, simplesmente eu acho que ele foi infeliz em suas observações.
    Não precisa ser leviano pra fazer um som alto astral.
    Devemos aproveitar a brecha das pistas de dança pra gente passar a nossa idéia, a nossa musicalidade e nossa versatilidade artística, coisa que muito som nacional dançante deixa a desejar, um exemplo é a “Cinderela” do Cabal, um dos atuais espelhos do Thig.
    Quanto a “Dance Dance”, achei o exemplo excelente.
    Fora as idéias do Brown serem foda, tipo :” a chapelandia não vê, não entende a discórdia, eu quero é liberdade, não misericórida” ou “de quando o campinho era o palco, zica, e o crime era o passo do Michael”, tem também o lado do resgate, vocês se ligaram no sample do Chic que da hora, mó inusitado né.
    Quem não conhece entra nesse link e passa a conhecer

    Esse assunto me empolgou tanto que até criei um blog só pra falar de rap. Estão todos convidados a visitar.
    http://falandoemrap.blogspot.com/
    Obrigado a todos

    junho 24, 2009 às 04:43

  22. Erika

    Não sei por que tanta indignação . Cada um tem seu espaço . Onde é que está escrito que temos a obrigação de viver mal e lembrar disso o tempo todo? Onde é que está escrito que todo preto tem obrigação de ser favelado e falar errado? Isso que dá aceitar tudo o que o governos nos dá……………..Vamos morrer acreditando nisso?

    junho 24, 2009 às 05:02

  23. http://falandoemrap.blogspot.com/

    Acessem e leiam

    junho 24, 2009 às 05:02

  24. André zonanorte

    Salve Thig!!!

    Ai negão, você esta fazendo apenas o q era pra ser feito há 10 anos atras. Não vai nessas idéia ai dos bicos, não pq eles não querem ver as mulheres felizes nos bailes e muito menos querem seu sucesso. Falar de dinheiro agora é pecado? Falar de mulher é não ser mais rapper? Ou deixar de ser original? É por isso q o rap ta na onde ta hoje, certo? Temos q fazer o rap ficar cada vez mais forte e não ficar nessas criticas destrutivas q colocam ai dizendo quem é mais ou não, quem é mais gangsta ou não.

    Tamo junto, negão…

    junho 24, 2009 às 16:43

  25. lalau

    ai filhote o thig ta certo ja nao aguento mais escuta funk carioca na quermesse d minha quebrada quero ver as mina dançado rap nacional. nao tem como tocar os rap da 105fm aqui, nem o GOG ele devia ser politico tem meu voto .ai cabal e bom tem talento faz musica boa tem q ter sim musica variada pra escutar taligado e essa e a fita todo mundo a traz dos malote$$$$ mas ai fazer blog e foda vc deve ama o cara ou ele pegou alguma mina q vc gostava

    junho 24, 2009 às 19:31

  26. Jana

    Só tenho a dizer que música boa é música boa, seja qual for o tema, parabéns to esperando a próxima…obrigadaaaaaaaa
    Beijãooo

    junho 24, 2009 às 20:28

  27. Débby

    Gente essa discursão de Rap é irrelevante…
    Pra que discutirem a posição do Thig? Cada um tem sua cabeça ele fez o que achou melhor ,pensou no bolso dele…Quem é contra que continue fazendo o rap pra quem gosta de rap e deixa o thig atrair quem não gosta de rap pra gostar do som dele …
    mais uma vez sucesso negooo
    sei como pensa e penso igual

    junho 25, 2009 às 13:46

  28. Pelo contrario num soul (Rapper de internet) não como disse nosso amigo J.Caio kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e nem disse nada direcionado a vc ,mas sim pra quem servir certo, Rap =Ritmo e poesia ,mas eu num vejo poesia atualmente só sangue,ódio e nenhuma solução,música é dançante pelo que eu sei ,mas os rap’s que tanto fazem a cabeça da mulekada não são.
    Só incentivam ao crime e as drogas rezo todos os dias pra q esse filme triste acabe,pois se num acaba isso vai acaba o rap,faça vc na sua casa uma festa com drink e rap nacional kkkkkkkkkkkkkk vc vai se sentir na cadeia ,só idéia pesada de crime nenhuma mulher e briga no final,por que com o clima tenso q o rap se encontra é isso que ocorrerá no fim .O funk pancadão se destacou pelo simples fato de fala de mulher,festa e não só de violencia violencia gera violencia ,amor gera amor e se voces num gostam dessa linha de rap num escutem voces num são obrigados a nada ,mas também não me falem q isso é errado,fazer rap dançante e corre atrás do seu sustento 1 por que voces num vão dar dinheiro pra ele e nem pagar as contas dele ou vão?
    como eu imaginei não vão né kkkkkkkkk
    então deixem ele fazer a dele escuta quem quer quem não quiser que fique surdo ,som pista=$$$$$$, $$$$$$=evolução, evolução= melhorias no gueto.

    Ahhh uma pá de vcs nem do gueto são aposto

    Thig recalque é mato reza pq a inveja é d+ candongas num pegam em nóiz naõ kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    junho 26, 2009 às 03:15

    • Então parceiro, acho que você ou não leu meus comentários com atenção, ou se leu não assimilou deireito mesmo assim te entendo.
      Como disse trocentas vezes, o rap pra cima é uma vertente que pode ser usada sim, como mais uma opção para quem curte pista, assim a gente não perde público.
      O que manda na verdade é a formula musical (harmonia), ela é que dá o clima triste ou algre.
      Lógico que o cara não vai falar de chinfra numa base mais lenta, mais down !!!!!
      Porém acho que se deve camuflar a ideologia da black music na estética da música pra pista, tipo a DANCE DANCE que o outro irmão citou ou em outros tempos a “Sarará Crioulo” da Sandra de Sá.
      Só assim um dia teremos a nossa elite no Rap assim como os gringos.
      Muito som gringo alegrão que você ouve as vezes tá dizendo altas fitas de quebrada.
      Meu receio não é com som pista, leiam meus outros comentários e constatem, e sim com o teor.
      Em todo gênero musical as pessoas que se tornam adébtas foram pegas pela identificação. Se você é rapper sabe do que estou falando.
      Só que fica difícil você se julgar perito em literatura quando você só lê revista contigo, ou seja, com certeza ninguém aqui tem como base musical as músicas mais comerciais.
      Entra no myspace do Bomba e vê se dá pra curtir aquela música “Carolina” com a mesma satisfação que você tem de ouvir os raps que te pegaram pelo coração.
      Façam o que quiser né ?
      Eu estou comentando minha opinião!!! E não julgando ou impondo nada a ninguém, muito pelo contrário, tem gente que não aceita quando alguém discorda.
      Sinceramente, tenho pavor em imaginar a que ponto vai chegar a seriedade do rap no Brasil, porque a galera quer ser comercial, mas não se profissionaliza, e quando quer fazer som animado lançam cada tema absurdo que pelo amor de Deus !!!!!!
      Ouçam o Humbatuque Disco Club, ali é uma obra prima, a pior música pra quem tem alguma noção, é justamente a “Senhorita” que também é a mais conhecida.
      Bom gosto desde a arte da capa.
      Ouça o som da Thula, mó pista e mó menssagem.
      Com certeza se as demais faixas tivessem um marketing mais apurado, a Senhorita teria sido ofuscada, esse disco é uma aula pra quem quer fazer disco pra pista, boas letras e boa produção sem apelos, exceto a Senhorita, claro !!!!!!!!!
      Quem é mais velho sabe que uma coisa que sempre fudeu todo estilo musical foram os embalistas.
      Se um mano falasse que a 10 anos atrás que a pegada agora é som pra caldeirão do huck uma pá iria descascar em cima do cara.
      Mas agora é diferente, o embalo de agora é concordar com aquilo que muita gente que hoje concorda antes atacava pedra.
      Esse papinho de evolução é foda, coisa de amador ou de novo convertido.
      Fui no show do Dexter há alguns meses e tava cheio de mulher, sem treta, sem baixo astral.
      Quando o Gog falou sobre esse lance de quererem impor essa pegada nova no rap, ou que o rap da rua tá morto era papo furado, mano, a peruche veio abaixo !!!!!!!!!!
      É egoísmo querer o rap só na favela, eu sei, mas quando a gente resolver levar ele pra fora dela tem que atentar pra não ser banal “cinderela seu sapato de cristal …………..”
      Esse é meu ultimo comentário nesse artigo, prometo.
      Se quiserem me dizer alguma coisa é só me mandar um email que certamente irei ler falndoemrap@gmail.com.

      Fé em Deus e nas crianças da favela !!!!!!!!!!!!!!

      junho 26, 2009 às 08:06

  29. cazuza

    esse j.caio é uma pessoa realmente egoista,olha senhor j. voce é mais um dos que contribuem para a musica mundial nao crescer.criticar a musica do bomba (carolina) foi a gota d´agua, olha senhor maestro em partituras ou escritas musicais, letras sao letras e ninguem pode desculti-las, sao partes do gosto de cada um e nao venha me falar besteiras porque o senhor me citou quincy jhones entao vou citar outro exemplo para o senhor ja que tu pareçe ser tao atencioso as letras entao fale mau tambem de james browm com (sexi machine) a letra nao presta tambem ou ta td bem a faça me o favor tambem nao gostei de carolina mais é uma musica pra se ouvir no baile e nao uma musica do dexter ,que por falar eu tambem estive no lançamento e achei horrivel esses que ali cantaram nunca cantaram em um baile os pretos que frequentam as festas aki em sao paulo nao gostam de rap as batida devagar
    musicas horriveis.cinderela é musica popular voce gostando ou nao á uma verdade .mais tudo bem continua comprado seu disco xato de rap numa hora de descontraçao ouça samba forro sertanejo etc… e continue compartilhado com musicas de morto a formula que a musica é feita é simples vontades de fazer raps diferentes ta preocupado com o rumo do rap pode acreditar que tem que mudar que pior que ta nao fica nao viu.

    junho 26, 2009 às 08:57

    • Prometi que não iria comentar, mas não dá.
      Olha esse rapaz, Cazuza. Sem base nenhuma das palavras.
      Querer citar James Brown é osso eim nego !!!!!!!!!!!
      De fato a letra da Sex Machine não é uma puta letra, agora me diz o JB tinha obrigação de fazer algumas tipo “Say It Loud – I’m Black and I’m Proud” sendo ele um cara que fazia letras divertidas.
      Você citou um hors concour meu irmão.
      Preste atenção na produção da Sex Machine, ele num precisava nem cantar, se ele ficasse só contando tipo” one, two, three ….” seria hit do mesmo jeito!!!!!!!!!
      Pensem o que quiser afinal de contas tem gosto pra tudo né !!!!!!!!!!!!!
      Mas cuidado pra na próxima não citar o Rick James !!!!!!!!!!

      Fé em Deus e nas crianças da favela !!!!!!!!!!!!

      junho 26, 2009 às 15:07